segunda-feira, 27 de junho de 2011

Sintomas de amor

É engraçado como geralmente as pessoas querem detectar os sintomas do amor. Quem nunca ouviu coisas como: “Tá amando” ou “ Isso é mal de amor” só porque apresentou algum dos ‘sintomas’ que foram eleitos sintomas de amor?
Já tentaram de todas as formas e de todos os lados enquadrar o amor, para que ele seja facilmente identificado quanto ao seu surgimento e mesurado quanto a sua intensidade, porém fico eu pensando como seria tal feito possível? Que poder seria capaz de medir o amor? Porquê querer padronizar algo tão particular? Pra quê enjaular algo tão livre?

Bem, os motivos de tal pretensão sem duvida são os mais diversos, eu arriscaria o medo, afinal é muito mais fácil controlar o que conhecemos. Porém as possibilidades de alcançar tão façanha vejo como objetivo cada vez mais distante.  Afinal, além das borboletas na barriga, do céu mais azul, das pessoas mais simpáticas, das risadas desmotivadas, da insônia, da vontade incessante de estar perto, da incrível descoberta que todos parecem usar o mesmo perfume, dos olhares perdidos, dos pensamentos repetitivos, dos planos pro futuro, do brilho no olhar, da leveza no andar, dos suspiros, e de todas as outras coisas que as pessoas já elegerem sintoma de amor, eu ainda coloco que quem ama sempre tem: um cuidado carinhoso; música no lugar da voz; uma luz envolta do rosto; a certeza que achou a pessoa certa...


O amante olha pra trás e diz a si mesmo: dessa vez é amor; jura que nunca mais vai querer outro alguém; se pergunta como pode ter passado tanto tempo sem ele; imagina como seria sem graça sua vida se o perdesse; se imagina bem velhinha contado aos seus netos pela sexta vez como foi que se conheceram; pensa que a sua é a mais linda história de amor.


Quando amamos, queremos mudar o mundo; o achamos o mais lindo, o mais especial, o melhor; não queremos nunca o ver tristonho; tiramos o sal e colocamos mais açúcar... Odiamos o verso que diz “que o pra sempre, sempre acaba” pois o “que seja eterno enquanto dure” não satisfaz mais;  não suportamos a idéia de decepcionar o outro; qualquer paisagem vira cenário perfeito; sentimos o cheiro do beijo e o gosto de abraço, descobrimos que o mundo se completa com mais um...
Nós, quando amamos fazemos juras de amor eterno; causamos brigas pra pedir desculpas; nos apropriamos de todas as musicas românticas; fazemos nossas loucuras de amor, telefonamos pra não dizer nada; surpreendemos com um eu te amo;  esquecemos compromissos mas lembrados datas; enfim, sorrimos, cantamos, choramos, perdoamos, amamos com tanta intensidade que nunca jamais alguém será capaz de mensurar.
É por essas e por tantas e tantas outras que fica impossível que o amor seja descrito, identificado, medido por outros que não os amantes.
Não deixe que respondam por você, se conheça o suficiente pra reconhecer o amor em você, pois só você, enquanto amante será capaz de identificar os SEUS SINTOMAS de amor.
Esses podem ser só os meus sintomas de amor, mas também pode ser que alguém os compartilhe comigo, se você for um amante bem-vindo ao grupo e se não é ainda, não se preocupe, quando chegar VOCÊ VAI SABER QUE CHEGOU. 

 Luana Melo 

2 comentários:

  1. asusahuashusauashuas adoreiiiii !*...*!

    ResponderExcluir
  2. Gostei da forma em que vc fala do amor!!

    ResponderExcluir